Damos vida, no nosso pequeno auditório, a espetáculos multimédia de cariz diário, que possibilitam a quem nos visita, não só ouvir, mas também conhecer a história e a essência do Fado.

 

Ao longo de cerca de uma hora, são interpretados ao vivo alguns temas emblemáticos do género, que são intercalados com segmentos de um curto documentário, que revisita, através de testemunhos de figuras incontornavelmente associadas ao estilo, alguns dos momentos-chave da história daquele que foi considerado, em 2011, Património Cultural Imaterial da Humanidade.

A experiência começa com o Fado Tradicional, o fado das vozes roucas e da linguagem descuidada, desprezado, na altura em que surgiu, pela aristocracia do país. Explora, depois, os mistérios e a evolução da Guitarra Portuguesa, a fiel companheira de todos os fadistas. Passa também por Coimbra, a eterna cidade dos estudantes, que, fervilhante de paixão e cultura, vê nascer a sua própria “Canção de Coimbra”, que, em finais do século XIX, passaria a ser chamada de Fado de Coimbra. O quarto segmento do espetáculo é dedicado a Amália Rodrigues, que traz novos poetas e confere ao Fado um caráter inconfundível e um reconhecimento além-fronteiras sem precedentes. Chegamos, depois, à atualidade e à fusão do Fado com novos contextos, pessoas, estilos de música e públicos.

O espetáculo tira partido da tecnologia de tradução simultânea instalada no auditório Fado na Baixa, que permite a quem o visita ouvir os conteúdos multimédia em português, inglês ou francês. Outras línguas seguir-se-ão em breve.

 

A interpretação dos temas ao vivo é assegurada por creditados músicos do Norte, com currículo comprovado nas áreas instrumental e vocal do Fado, que dão ao Fado na exata medida do que recebem: tudo.

 

Barbara.jpg

BÁRBARA BENTES

VOZ

O percurso de Bárbara Bentes no Fado começa cedo, em casa, por influência dos seus pais e avós. Participou em vários concursos de música enquanto criança e, mais tarde, já adulta, canta em vários concursos de Fado. Em 2011 ganha o Prémio Revelação, no Braga Fado. Atualmente, dedica-se aos espetáculos de Fado ao vivo.

Carlos Costa.jpg

CARLOS COSTA

VIOLA DE FADO

Desde cedo manifestou interesse pela música. Dirigiu a Secção de Fado da Associação Académica de Coimbra e pertenceu ao grupo Praxis Nova, com quem gravou e ao qual ainda se mantém ligado. É autor de temas como "Aquela Janela" ou "Ondas do Mar da Póvoa".

carlos santos.jpg

CARLOS SANTOS

VIOLA DE FADO

Carlos Santos dedicou a sua carreira ao estudo da viola de acompanhamento de Fado, interessando-lhe peças instrumentais de compositores como Carlos Paredes ou Armandinho. Já pisou os mais variados palcos nacionais e não raras vezes acompanha grandes vozes do Fado com a sua guitarra.

CátiadeOliveira.jpg

CÁTIA DE OLIVEIRA

VOZ

Nascida no meio artístico, Cátia de Oliveira iniciou-se no Fado aos sete anos de idade, incentivada pela sua avó. Aos 12 anos editou o seu álbum de estreia e, em 2008, viu nascer o seu segundo trabalho, “Fados”. Participou em vários concursos de Fado, é presença assídua em conceituadas casas de Fado do Porto e de Lisboa, e faz espetáculos por todo o país e também no estrangeiro.

Filomena Sousa.jpg

FILOMENA SOUSA

VOZ

Filomena Sousa cedo se apaixonou pelo Fado. Ainda nova, conquistou o terceiro lugar na Grande Noite de Fado da Casa da Imprensa – um prémio que lhe abriu portas para atuações nas mais conceituadas casas de Fado do Norte do país. Paralelamente, também brilhou como atriz de teatro da revista, tendo pisado alguns dos mais importantes palcos do Porto. O Fado na Baixa é o seu mais recente desafio, com o qual se compromete de corpo e alma.

Gonçalo Mendes.jpg

GONÇALO MENDES

VOZ

Iniciou formalmente a sua carreira no Orfeon Académico de Coimbra e hoje conta com 20 anos de colaboração com diversas formações de Fado de Coimbra. Já se apresentou ao vivo um pouco por todo o mundo e foi convidado para diversos registos discográficos e televisivos.

Joana Almeida.jpg

JOANA ALMEIDA

VIOLA DE FADO

Aos três anos teve o primeiro contacto com o Fado, começando, aos 11, a ter aulas com Gracindo Costa. O estudo do instrumento foi sendo conciliado com a escolaridade regular e, aos 22 anos, Joana passa a dedicar-se inteiramente à música. Atualmente é presença assídua em diversas casas de Fado – atividade que mantém a par com o curso de música na Academia Valentim de Carvalho.

Mário Henriques.jpg

MÁRIO HENRIQUES

GUITARRA PORTUGUESA

Apaixonou-se pelo Fado e pela Guitarra Portuguesa ainda jovem e desenvolveu a sua técnica em diversas casas de fado, grupos de fado académicos e em diversas atuações, não só em Portugal, como lá fora. Em 1996 deixa de atuar em casas de fado e passa a dedicar-se aos espetáculos ao vivo, ganhando vasta experiência e o reconhecimento dos pares.

Manuel Soares.jpg

MANUEL SOARES

GUITARRA PORTUGUESA

Estreou-se no mundo do Fado com o grupo de fados da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Anos mais tarde e uma licenciatura em Música depois, começa a explorar a Guitarra Portuguesa. Atualmente, atua em vários espaços do Porto e participa em espetáculos por todo o país e no estrangeiro. Paralelamente, faz composições musicais e arranjos, e ensina música.

Pedro Pinto.jpg

PEDRO PINTO

GUITARRA PORTUGUESA

Iniciou o estudo da Guitarra Portuguesa em 1993 e ensina o instrumento no Conservatório de Música do Porto desde 2010. Tem vasta experiência em palcos nacionais e estrangeiros, na criação de material pedagógico e participa em vários álbuns de Fado e Guitarra de Coimbra.